Provedor de Acesso à Internet: Registro de usuários e o armazenamento de logs

extreme close up photo of codes on screen. sugere a imagem de um log de acesso a serviço de acesso a internet que deve ser mantido por provedor de acesso.

Um dos assuntos que tem tido destaque quando se discute responsabilidade civil de provedores de acesso e regulamentação de tais atividades é a inserção de cláusulas ou artigos que obriguem tais prestadores de serviços a realizar registros de seus usuários, de forma que permitam a identificação e a localização dos mesmos.

Os serviços de provimento de acesso à Internet tem o início da sua regulamentação específica com a promulgação do Marco Civil da Internet, Lei 12965/14; tendo no Código Civil (Lei 10406/2002 o embasamento jurídico suplementar. 

Dessa forma, o falso mito sobre o anonimato na Internet, que ganhou força durante as duas primeiras décadas de democratização de acesso à grande rede tende a ser desmistificado. 

Isso porque há meios técnicos confiáveis de se obter o endereço IP do agente que comete ato ilícito através da Internet, e através do IP pode-se chegar à autoria do fato.

Assim, cabe aos provedores de acesso identificar seus usuários, manter os registros de utilização dos IPs concedidos e fornecer tais informações quando legitimamente solicitados.

Controle de Acesso X Controle de Conteúdo

A grande discussão acerca dos registros, no entanto, encontra-se no fato de o provedor não armazenar os registros de utilização dos endereços IP, inviabilizando as tentativas de identificação dos usuários responsáveis pela prática de ilícitos e assim evitando que as vítimas tenham seus danos devidamente reparados.

A inexistência de monitoramento e controle sobre o conteúdo e a navegação de terceiros retira do provedor de acesso a responsabilidade pelos atos destes terceiros.

 

Regulamentação das Atividades de Provimento de Acesso à Internet

Inviabilizar a reparação do dano à vítima por não armazenar registros que permitam a identificação dos infratores trouxe à tona a discussão sobre a possibilidade de os provedores de acesso responderem por perdas e danos nestes casos.

Os tribunais brasileiros possuem decisões nesse sentido, nos autos do processo nº 06.158492-4, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, TJSP.

Esse entendimento fundamenta-se no argumento de que uma vez existindo omissão do provedor em manter os registros ou em fornecê-los, haverá então nexo de causalidade formado entre o dano e a ação ou omissão e, portanto, nascerá o dever de indenizar.

Ainda no mesmo contexto, o Comitê Gestor de Internet no Brasil, instituído pelo Decreto nº 4.829/2003, é o órgão responsável por coordenar e integrar todas as iniciativas de serviços de Internet no Brasil.

O CGI emitiu recomendação aos provedores de acesso no sentido de manterem registros de identificação de usuários e os logs de dados de conexão.

Além das recomendações do Comitê Gestor da Internet, há ainda a iniciativa de alguns estados e municípios em editarem leis sobre a regulamentação de alguns aspectos relacionados à utilização da Internet.

Dentre os estados e municípios que possuem legislação voltada à Internet, podemos destacar: Lei estadual nº 3.101 de 11 de novembro de 2005, do Mato Grosso do Sul; Lei Estadual nº 12.228, de 11 de janeiro de 2006, de São Paulo; Leis Estaduais nº 4.782 de 23 de julho de 2006 e nº 5.132 de 14 de novembro de 2007, do Rio de Janeiro; Lei Municipal nº 8.519, de 02 de junho de 2006, de Belém-PA; Lei Municipal nº 9.193 de 16 de março de 2007, de Fortaleza-CE.

 

O Marco Civil da Internet

Não obstante o disposto em todos os diplomas legais citados, em 2014, o Marco Civil da Internet (Lei 12965/2014) veio para uniformizar e federalizar o tratamento legal dado à disciplina do acesso à internet no Brazil, passando a ter tratamento análogo ao de direito fundamental. 

Nesse sentido,  em seu arts. 10 e 11 restam disciplinadas a proteção aos registros de acesso, aos dados pessoais e às comunicações privadas na rede. (art. 11§3º).

§ 3º Os provedores de conexão e de aplicações de internet deverão prestar, na forma da regulamentação, informações que permitam a verificação quanto ao cumprimento da legislação brasileira referente à coleta, à guarda, ao armazenamento ou ao tratamento de dados, bem como quanto ao respeito à privacidade e ao sigilo de comunicações.

 

LGPD

Dando continuidade à evolução legislativa no ordenamento jurídico Brasileiro no tocante ao registro de usuários e a manutenção dos logs de acesso, há que se considerar a obrigatoriedade, já disposta no Marco Civil, de proteção do sigilo dos dados pessoais e das comunicações privadas, que passa a ser disciplinada em regime legal específico com o advento da Lei Geral de Proteção de Dados LGPD de 2018. 

 

Responsabilidade Civil no Provimento de Acesso à Internet

Os tribunais brasileiros se manifestam no sentido de impor responsabilidade civil objetiva, ou seja, o dever de indenização independente de culpa, aos provedores de acesso que por falta dos registros de usuários e dos logs de acesso, inviabilizam a identificação da autoria de ilícitos praticados na rede gerados de IPs sob o seu domínio, atribuindo-lhes o dever de indenização por perdas e danos às vítimas.

Importante ressaltar que para efeitos de incidência das regras de responsabilidade civil, também aqueles que fornecem o acesso à Internet, explorando a atividade economicamente, tais como as lan houses e cybercafés, estão sujeitas às obrigações de manter os registros de usuários e logs de IPs utilizados acessíveis às autoridades, para o
caso de serem solicitados.

Com mais de 12 anos de experiência na prestação de serviços jurídicos de alta qualidade, nossa equipe está empenhada em manter-se atualizada com os mais recentes desenvolvimentos no campo jurídico, e usamos tecnologia de ponta para fornecer serviços eficientes e soluções jurídicas eficazes.

Estamos confiantes de que, com nossa orientação e suporte, você poderá estabelecer e expandir seus negócios com sucesso neste país dinâmico. Não hesite em entrar em contato conosco se tiver alguma dúvida ou preocupação ao longo do caminho.

FREE Guide to Investing in Brazil in 2023

Subscribe to our newsletter and get the 2023 Guide to Invest in Brazil for FREE.

error: The content in this website is subject to copyright.